Gestor x Político

Nessas eleições se ouviu muito a frase: “Não sou político, sou gestor”, como o caso mais conhecido nacionalmente do candidato a prefeito de São Paulo, João Dória Jr. Cientistas políticos creditam a essa identificação um fator expressivo para sua vitória nas urnas. Mas um candidato a um cargo político pode não se reconhecer político? A partir deste questionamento analisamos as diferenças e semelhanças entre as funções.

Para alguns estudiosos políticos, os candidatos que se denominavam gestores buscavam se beneficiar do fato da imagem do político estar atualmente muito associada a corrupção, sendo assim os “gestores” seguiam a direção oposta.

Gestão de negócios x Gestão política

Tomando a definição gramatical como norte, para evitar qualquer juízo de valor, “Política” é “a arte ou ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados”. O termo “administração” aparece, portanto, como sinalização de que fazer política pressupõe fazer gestão. Outra definição, da mesma fonte, é a seguinte “Política é a arte de guiar ou influenciar o modo de governo pela organização de um partido, influência da opinião pública, persuasão de eleitores etc.”. Neste caso, podemos notar um paralelo entre as atuações de um gestor e de um político. Enquanto o político pertence e organiza um partido, o gestor pertence e organiza uma equipe; da mesma forma que, enquanto o político exerce influência sobre a opinião pública, o gestor influencia seu time.

Diferenças entre gestor e político

  1. O político não pode demitir os habitantes da cidade, como pode o gestor seus colaboradores, em diversas situações. A complexidade de uma cidade, estado ou país a governar é muito mais ampla, não só pelo número significativamente maior de cidadãos do que de membros de uma empresa ou equipe, mas também pela diversidade de condições econômicas, interesses, comportamentos e costumes. Uma organização pode, por exemplo, fomentar uma cultura que unifique seus valores e missão, mas uma cidade precisa de diversas culturas para contemplar todos os cidadãos.
  2. O foco no lucro é uma exclusividade do gestor, que presta conta a um grupo restrito de stakeholders, como os investidores. Nem sempre o político tem, digamos, esse privilégio. Pois, ainda que deva evitar ao máximo o prejuízo e o rombo das contas do seu governo, não é sua prioridade o lucro, mas realizar uma série de transformações que levam ao bem-estar dos cidadãos.
  3. Considerado o regime democrático, um político é eleito pela maioria dos votos, oriundos da população que será governada por ele. Já no caso do gestor, não costuma ser a sua equipe quem o elege para o cargo, mas sim a diretoria que, em geral, ocupa posição hierárquica superior à do gestor.

Semelhanças entre gestor e político

  1. O gestor é um político. No sentido figurado, e cotidiano, do termo “político”, um gestor também deve ser político no sentido de que, para conviver em harmonia com a equipe, e influenciar decisões, age de forma bem disposta, proativa e simpática (ou, ainda melhor, empática) com o grupo com que se relaciona e o qual pretende liderar, rumo a um sucesso comum.
  2. O político é um gestor. Um político – sobretudo representante do poder Executivo, como prefeitos, governadores e presidentes – só tem a ganhar quando domina competências e conhecimentos de um administrador de empresas. Afinal, o zelo com as finanças, prazos, escopo e com a definição de uma equipe bem capacitada é universal quando se trata de um bom mandato, seja à frente de uma cidade ou empreendimento, de um país ou equipe.

O que você pensa a respeito de tudo isso? Mudou ou manteve alguma opinião prévia? Deixe um comentário, vamos adorar responder.